yourdisqusshortnamehere
c
Loading...

Exército mortadela de Lula só sabe bater em idosos. Na frente da PF, todos viram moças.

PUBLICIDADE Continue lendo


Lula demonstrou bastante nervosismo na tarde em que saiu da sede da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas, para onde foi levado "na marra" pelos agentes que cumpriram mandato de condução coercitiva na manhã de sexta-feria, 4. De lá, Lula seguiu direto para a sede do PT na capital paulista, onde militantes pagos e membros do partido o aguardavam para um "desagravo".

Como de costume, Lula não quis falar com a imprensa, que foi "permitida" a permanecer no local apenas para registrar e transmitir os "recados" do ex-presidente à nação. Visivelmente irritado, Lula fez uma auto defesa nos moldes a que todos já estão acostumados. Seus argumentos evocavam as perguntas embaraçosas que havia acabado de ser alvo, durante seu interrogatório. Lembrou-se quando foi perguntado sobre os pedalinhos do sítio:

"Essa pergunta não está à altura da Polícia Federal", reagiu Lula, segundo relato de Paulo Teixeira.

Lembrou-se de quando foi interrogado sobre sua adega fenomenal de vinhos, se costumava "ganhar" alguns de "presente". Lula respondeu que sim, mas teve que fingir que "não saberia diferenciar um rótulo nacional de um estrangeiro". Dá até para acreditar que Lula seria capaz de servir uma de suas garrafas de Chateau Petrus, que chega a custar R$ 20 mil, aos pedreiros que trabalhavam nas obras do sítio em Atibaia, para onde boa parte dos "presentes" que retirou do Palácio do Planalto foram levados.

Em alguns momentos, quase chorou. Mas a raiva por tudo que havia passado prevaleceu e não demorou para que começassem as bravatas. Demonstrando verdadeiro ódio da justiça e inconformado por não o deixarem em paz com seus 11 contêineres repletos de presentes, com o sítio que tanto ama ou com o triplex, cuja vista maravilhosa encantou sua esposa Marisa,

Lula se lembrou da contrariedade quando foi questionado sobre o tríplex no Guarujá. Repetindo não ser proprietário do imóvel, recomendou que a pergunta fosse direcionada a quem disse que o apartamento era seu. "Não sou dono desse tríplex. Perguntem a quem disse que sou"

Lula foi se lembrando de todos estes detalhes enquanto falava e acabou explodindo. Ameaçou visitar vários lugares do país e convocou seu "exército mortadela" para acompanhá-lo. Mesmo sabendo que estava blefando, mesmo sabendo que a proporção de brasileiros contra seu "exército mortadela" é de cerca de 1 milhão para cada 1 "soldado", Lula ameaçou.

O problema é que o "exército mortadela" de Lula já sofreu milhares de baixas desde o início da Operação Lava Jato e da crise (criminosa) econômica no país. Dilma cortou verbas dos programas sociais, verbas para os movimentos sociais e sindicais controlados pelo PT. Sem mortadela, não há exército. Apenas alguns leões de chacra parrudos e covardes e outros gatos pingados raquíticos e esfomeados.

É claro que os poucos soldados remanescentes de Lula estão desesperados com a possibilidade concreta do ex-presidente voltar a ser preso e com o fim do PT. Isto pode significar o fim de seu ganha pão (com mortadela). Por outro lado, Lula e o PT sambem que não há como enfrentar a sociedade brasileira com bravatas e um contingente de 100 militantes pagos. Vão no máximo agredir alguns idosos, enquanto a multidão indignada não chega.

Sobre a próxima prisão de Lula, não há com o que se preocupar. Os membros do "exército mortadela" viram moças quando a Polícia Federal chega.








Sergio Moro 1843596711378906134

Postar um comentário

  1. Tem que atacar esses corruptos colocar na cadeia comum sem mordomia esses besta fera do munfo

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Página inicial item